28 de novembro de 2011

Era uma noite de festa...

foto: Weheartit
Era uma noite de festa. Não mais uma, mas a festa daquela amiga, que naquela noite estava tendo a sua noite, noite essa de quinze anos. E sim, ele estava lá. Ela chegou atrasada, em cima de hora, tinha acabado de sair do salão de beleza e mal havia se olhado no espelho. Mas ele estava lá, e a viu. A considerou, naquela noite, importante demais para sua amiga, a garota mais linda do mundo, estava mais bela que nunca. Um dia eles foram namorados, amigos, simples "ficantes". Mas naquele dia, não passaram de simples desconhecidos. Trocavam olhares, sorrisos discretos, e até pensamentos, que jamais foram revelados. Seu coração à ele pertencia. Mas ele não sabia. Ele achava que havia a perdido para sempre, pelo fato de ela estar fixada à outra companhia. Músicas românticas tocavam, e faziam o coração palpitar, querer sair pela boca, tomar um ar. 

Ela não estava com ele, mas não queria sentir a ausência de sua companhia, e suou frio no momento em que ele quis ir embora. Ele acabou não indo. Parecia que sentiam os corações interligados um ao outro. A timidez cada vez mais tomava conta daquela par que um dia foi chamado de casal mais perfeito do mundo. Logo, apareceu uma oportunidade para uma conversa, graças a  um empurrão insistente das amigas. Enfim sós, ele insistiu para retomar aquela história que ficou presa no passado, que não teve um final concreto. A vontade dela de dar uma resposta definitiva naquele momento tomou conta, porém o momento não deixou, a razão não permitiu. O tio da moça logo apareceu para ir buscá-la, e ela teve que ir embora. Sem tempo algum para quaisquer tipo de despedidas e correndo contra os minutos finais para a sua partida, ele a pediu um beijo, não o último, mas  beijo na noite em que ele a queria de volta à sua vida, para fazer a garota mais linda do mundo, naquela noite, em plena festa de quinze anos da sua amiga, a mais feliz, por um segundo, ou talvez pelo resto da vida. E sem pensar em mais nada, logo ela o beijou, e partiu, querendo novamente voltar para os seus braços.

Ao chegar em sua casa, ela se depara com o toque do telefone, em plenas duas horas da manhã. Era ele, na tentativa de continuar aquela noite que não teve final feliz. Ele voltou a insistir sem jamais cair do cavalo ou perder as suas forças. Ela, lutando para não ter uma recaída, não conseguiu não demonstrar o quando estava balançada, o que acabou em maltratar mais uma vez aquele coração já partido anteriormente. Contudo, ela optou por não continuar a história, por já ter dado esperanças demais. Não por falta de querer, mas sim porque eles não estavam prontos para renovar aquela história que ficou presa no passado, e tentou ter um final feliz na noite da festa de quinze anos da sua amiga...

(Fatos reais, 28 de Dezembro de 2009. Dois anos atrás.)

Um comentário:

  1. Oi Joyce, vi seu comentário lá no meu blog, muito sucesso pra você também! Gostei muito do blog, e já estou seguindo também!
    Bjs, Rafa
    http://rosaschiclete.blogspot.com

    ResponderExcluir