7 de setembro de 2015

Diálogos Recíprocos, sessão 1

"Independente do contexto, textos como aquele são muito importantes para mim. O uso do seu dom como poeta para descrever nossas energias é incrível. A minha vontade é apenas de gritar que te amo."

"Gosto de transpor sensações! Desaguar em você, desnudar meus sentimentos e mergulhá-los atados nós. Grita! Grita! Grita! Mas grite para dentro de você mesmo para eu poder te escutar. Não em forma de ondas sonoras, mas energicamente elas chegam até mim, impulsionando nossos sentires que fazem sermos tão bonitos quanto somos, sem ponderar."

"Já estou gritando. Estou muito feliz. Sou muito feliz com você!"

"Falei o mesmo para dentro de mim agora, precedida de um arrepio. Lê-se 'certeza'."

"A igualdade que compartilhamos é mais um fator para as nossas certezas. Apenas siga comigo. Mãos dadas sempre."

"Sempre. Concretos. Alicerces fincados com toda firmeza no chão. Um ponto fixo, um porto totalmente seguro."

Diálogos Recíprocos, setembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário