1 de dezembro de 2015

Energias da última sexta-feira de novembro

Sabe que eu vejo muita consistência no uso do álcool? Primeiramente porque acabei de fazer uso dele, em uma dose exageradamente rápida e aguçada, com uma pequena procedência de vontade de que o efeito fosse assim, instantâneo. Sinto ondas percorrerem pelo meu corpo e sabores coloridos que afagam minhas ânsias. Só o álcool pra me alimentar. Me vejo transbordar em gostos, nesse vazio que me faz sentir pequena aos olhos do mundo, e sem voz, calo tranquila, deito, sobretudo, na vontade de que o amanhã não me pertença, e faço pouco caso da vida, como se não ela fosse trágica o suficiente para nunca me abalar. 
Eu gosto das chegadas e das partidas, mas tenho apreço continuo e contributo para o espaço de tempo e razão que se encontra no meio termo: a tal da saudade. 
É uma falta dos sintomas que atracam minhas angústias de só alguém que sabe, tão silenciosamente me entender. Não há sufoco e desatino, é só uma maldita forma de compreensão que eu não encontro com totalidade tão simplesmente. E basta, sigo cega, sonhando que de uma maneira ou de outra, a plenitude me pertença, e falta um ar, porque o primeiro deles, meu querido álcool, fez meu mundo desabar quando pôs os pés no chão.
Joyce Gabriella Barros.

3 comentários:

  1. Adorei o texto! Você tem uma forma de escrever muito boa "meu querido álcool, fez meu mundo desabar quando pôs os pés no chão." adorei essa frase alias

    simplesmenteassimj.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita, fico feliz demais por ter gostado! Volte sempre e obrigada, linda!

      Excluir
  2. Ler-te é um doce fascínio!...

    Bjus,
    AL

    ResponderExcluir