6 de março de 2017

A eternidade de um instante


Você tem sua música preferida, tem seus sonhos depositados no filtro de um aquário, com reminiscências mágicas que enclausura qualquer pesadelo em dia ruim, escolhas particulares que condensam e transcendem o que você significa, bem como a razão e transparência da existência encaminhado por tudo aquilo que você transmite e tem transmitido. E tudo isso nem sempre está situado na efemeridade do presente.
Nesse sentido, Leminski diria: 
"O que o amanhã não sabe, 
o ontem não soube. 
Nada que não seja hoje, 
jamais houve". 
O que determina o que virá? Segundos planos, ações deliberadas inconscientemente sobre aquilo que não se sabe se irá emergir à superfície? 
Não é possível que seja errado considerar situações a partir de sua eternidade em um instante, da unicidade de algo que não será nunca mais do jeito que acabou, tal qual a tenacidade de um porquê desprovido de questionamentos supérfluos. Fatos não se repetem, e parafraseando Parmênides (502 a.C), não banharemo-nos em um rio com a mesma água, pois ao passo que correm, elas não são mais as mesmas, assim como nós, não o seremos outra vez. Somos sempre outros, estamos sempre sofrendo profundas e dolorosas transformações que ora nos enobrecem, ora nos desconjunturam por completo.
Então por que negar a eternidade de um instante? Por que não fluir com ele, sempre, como se fosse um ciclo de constantes primeiras vezes? Assim como tudo que é sólido desmancha no ar (Berman, 1997), no sentido mais claro da palavra, partículas do que está sendo nesse instante em breve virarão poeira do pretérito...
"essa é a melhor viagem da minha vida",
"realizei o maior sonho que eu tenho",
"transpus barreiras que jamais correria", 
"corri riscos impagáveis",
"fiz juras eternas que não achei que quebraria",
"você é o amor da minha vida",
mas que vida? 
Existem uma infinidade de vidas dentro de uma só vida, 
e ela recomeça, todos os dias. 
Você é o amor da minha vida agora. 
No tempo exato dessa vida, até que venham outras, 
até não tornem a este plano nunca mais. 

Por hoje é só. 
Amanhã tem mais.
Mas quem garante que haverá?

_______________________________________________________________
BARROS, Joyce Gabriella.

2 comentários:

  1. Adorei o texto, Joyce! ♥
    Teu blog está na lista dos meus favoritos!
    O meu é
    www.caixaorganizada.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna!!!! Tu por aqui? <3 Que massa! Fico feliz e muito grata!
      Eu tentei e não consegui acessar o link, ele está correto?

      Bjo!

      Excluir